Valdevan Noventa - Um líder não nasce por acaso!

1 de Março de 2018

“Apenas no ano passado, nosso sindicato recorreu a 1247 multas aplicadas aos trabalhadores”, afirma Valdevan Noventa

“Apenas no ano passado, nosso sindicato recorreu a 1247 multas aplicadas aos trabalhadores”, afirma Valdevan Noventa

A cobrança indevida de multas pela Prefeitura já se tornou rotina na vida dos motoristas de ônibus na capital paulista. No entanto, a atuação efetiva do Sindmotoristas tem garantido a reversão das penalidades, impedindo o prejuízo da categoria, que busca cumprir as leis de trânsito.

Apenas no ano passado, o sindicato recorreu a 1247 multas aplicadas aos trabalhadores, sendo 30% deste montante – o que corresponde ao número de 342 infrações – eram por “parar o veículo sobre a faixa de pedestres na mudança de sinal luminoso”.  A causa está no topo da lista das mais cometidas pelos trabalhadores em 2017. Para se ter uma ideia, entre 2015 e 2016, o sindicato conseguiu cancelar mais de 2 mil multas aplicadas aos trabalhadores, após constatação de radares descalibrados.

Outras penalidades ainda seguem em análise da Prefeitura. A verificação costuma durar entre seis e oito meses. Diante das vitórias obtidas pelo Sindmotoristas (entidade filiada à UGT), fica clara a necessidade de medidas para evitar que os condutores continuem sendo punidos injustamente. E é nisso que o presidente Valdevan Noventa vem trabalhando atualmente. No caso da parada sobre a faixa, a culpa não costuma ser dos motoristas. O problema é o tamanho dos ônibus, sobretudo, dos biarticulados, que demoram mais para atravessar o semáforo, permanecendo no espaço quando a sinalização está mudando de cor.

Não podemos permitir que esse cenário continue se repetindo. A Prefeitura precisa tomar uma atitude urgentemente. Muitas multas conseguimos cancelar, mas, com certeza, os motoristas devem estar sendo prejudicados por muitas outras que permanecem válidas. Temos mantido contato com a administração municipal para propor mudanças efetivas. Um semáforo com temporizador é uma das propostas a ser considerada como uma solução do problema”, afirmou Noventa, que tem um histórico de trabalho positivo e atuante quando se trata de penalidades impostas à categoria.

Radares descalibrados e falta de informação aos trabalhadores foram outros erros cometidos, que chegaram a culminar em multas aos trabalhadores, porém, mais uma vez, com resultado favorável para os companheiros. “Isso precisa acabar. Os condutores não podem ser culpados por algo que não fizeram, correndo o risco de perderem, inclusive, as suas carteiras de habilitação”, destacou o presidente do SINDMOTORISTAS.