Valdevan Noventa - Um líder não nasce por acaso!

29 de Março de 2018

Descaso do Poder Público resulta em mais uma vítima da violência na categoria

Descaso do Poder Público resulta em mais uma  vítima da violência na categoria

O aumento da violência na maior capital do país aliado à falta de posicionamento do Poder Público levou mais um motorista a entrar para as estatísticas de agressões no transporte coletivo de São Paulo. Dessa vez, a vítima foi Gilvam Oliveira de Andrade, motorista da Transppass.

Para o presidente do Sindmotoristas, Valdevan Noventa, a situação nada mais é do que reflexo da acomodação do governo. No entanto, o sindicato não vai aceitar esse descaso pacificamente. Seguirá cobrando providências e se mobilizando para defender a categoria.

Gilvam relatou os momentos vividos na manhã desta segunda-feira, dia 27. O fato aconteceu por volta das 7h30, quando fazia a Linha 702-C Jd. Bonfiglioli /Belém, em direção ao Centro. Era a primeira viagem do condutor, que aguardava o embarque e desembarque de passageiros no ponto de ônibus do Hospital das Clínicas. Um homem começou a passar mal dentro do veículo. Diante da situação, o motorista aconselhou que o indivíduo descesse do coletivo e buscasse atendimento médico no hospital em frente.

Foi nesse momento que o passageiro, aparentando estar sob efeito de entorpecentes, começou a atacar verbalmente o trabalhador. Ao perceber o descontrole do passageiro, o motorista determinou a sua saída do ônibus. Apesar de contrariado, ele desceu pela porta do lado esquerdo. No entanto, o pior estava por vir. Enquanto Gilvam colocava o cinto de segurança para seguir viagem, o homem arremessou um cone de sinalização contra a janela do motorista, que estendeu o braço para se proteger dos estilhaços. Mesmo assim, Gilvam sofreu vários cortes.

“Fica o sentimento de revolta. A gente faz tudo certo, procura ser um bom profissional, mas estamos à mercê da própria sorte, não temos segurança para trabalhar, não sabemos se vamos voltar para casa. São Paulo é uma cidade que está cada vez mais violenta, qualquer cidadão está sujeito a passar por isso”, disse o motorista. Devido ao incidente, os passageiros precisaram ser transferidos para outros ônibus. Já o veículo danificado foi recolhido para a garagem.

Em menos de um mês, temos outro caso de violência na nossa categoria. Onde isso vai parar? Quando os companheiros poderão trabalhar em paz, sem medo do que vão precisar encarar nas ruas? O poder público precisa de medidas imediatas. Ainda estamos em março e já temos uma morte para contabilizar. Precisamos reverter esse cenário e é agora. Vamos unir esforços para que motoristas e cobradores tenham a sua vida preservada”, garantiu Noventa, que já encaminhou ofício ao presidente da Câmara dos Vereadores, Secretaria Estadual de Segurança Pública e à Secretaria Municipal de Transportes. “Aguardo respostas, que atendam as nossas necessidades”.