Valdevan Noventa - Um líder não nasce por acaso!

20 de Fevereiro de 2018

Sindicato garante o cancelamento da cobrança de 73 multas dos motoristas da Tupi Transportes

Sindicato garante o cancelamento da cobrança de 73 multas dos motoristas da Tupi Transportes

Sempre na defesa dos trabalhadores, o presidente do Sindicato dos Motoristas e Cobradores de São Paulo, Valdevan Noventa, conseguiu garantir o cancelamento da cobrança de 73 multas por excesso de velocidade dos motoristas da Tupi Transportes Urbanos.

Na madrugada dessa segunda-feira (29), a entidade, por meio do atuante diretor Valmir Santana da Paz, conhecido popularmente como ‘Sorriso’, marcou presença na garagem da empresa para dialogar com os trabalhadores e defendê-los dos eventuais ‘ganchos’ [penalidades] que seriam aplicadas pela empresa.

No dia 19 de janeiro, a Secretaria Municipal de Mobilidade e Transporte publicou no Diário Oficial, uma portaria reduzindo o limitador máximo de velocidade dos ônibus de 60km/h para 50 km/h. No entanto, os trabalhadores não receberam nenhuma orientação nesse sentido. Agora querem passar essa conta aos companheiros. Isso está errado! Antes de punir é preciso conscientizar. A negligência não é do trabalhador”, afirmou Sorriso.

Esses valores não serão descontados de nenhum motorista”, concluiu Sorriso, que também atua com afinco na representação dos companheiros das garagens MobiBrasil e Cidade Dutra.

Após a intervenção do sindicato, a empresa afirmou que não efetuará tais cobranças. No entanto, a partir de agora os motoristas deverão redobrar a atenção na velocidade.  “Fizemos a nossa parte no que tange a defesa dos trabalhadores. Continuamos atentos a todos os acontecimentos nas garagens, fiscalizando e cobrando os patrões e, principalmente, comprometidos com a luta pela valorização dos trabalhadores em transportes”, afirmou Valdevan Noventa.

As empresas devem conscientizar os motoristas sobre as suas responsabilidades como por exemplo, evitar o acúmulo de pontos na CNH, que certamente resultará em penalidades e até mesmo inviabilizará o exercício de sua profissão”, finalizou.