Valdevan Noventa - Um líder não nasce por acaso!

20 de Fevereiro de 2018

Valdevan Noventa cobra melhorias nas condições do Terminal Parque Dom Pedro II

Valdevan Noventa cobra melhorias nas condições do  Terminal Parque Dom Pedro II

Nessa última segunda-feira (22), o Sindicato dos Motoristas e Cobradores de São Paulo, esteve por meio de seus representantes, conferindo as condições dos banheiros e do refeitório no Terminal Parque D. Pedro II, destinados aos motoristas, cobradores e trabalhadores da manutenção.

Na visita, a equipe pôde constatar que a situação desses locais é precária e insalubre. “Os trabalhadores reclamaram muito, e com razão, da falta de higiene, de segurança, do desrespeito às regras, enfim, da falta de infraestrutura adequada às suas necessidades”, contou o presidente do sindicato, Valdevan Noventa.

A cobradora da VIP Expandir, Luzinete, disse que os dois banheiros que deveriam ser exclusivos para as trabalhadoras em transportes são usados pelas passageiras, acarretando filas. Para ela, isso é um problema, pois a mesma tem o horário apertado de intervalo, às vezes menos de cinco minutos, e, depois, tem que seguir com sua jornada de trabalho. “Quando faço o turno da noite, peço para um companheiro motorista me acompanhar até o banheiro, pois tenho medo de ir sozinha. Um dia desses dei de cara com homens saindo do local. É um absurdo, eles fazem o que querem, usam drogas e cometem todo tipo de atos obscenos e não há fiscalização para coibir isso”, desabafou.

A cobradora ficou satisfeita com o acordo firmado entre a direção do sindicato e a Secretaria Municipal de Transportes que disponibiliza também para os trabalhadores em transportes, devidamente uniformizados e com crachá, os banheiros e os refeitórios que antes era para uso apenas dos funcionários do SOCICAM e dos terminais de ônibus. “Vamos ter mais opções e privacidade, não dá para continuar com essa bagunça”, concluiu.

Os homens afirmaram passar pelas mesmas dificuldades das mulheres. Problemas de vazamentos de água que escorre pelo chão, tampas dos vasos sanitários quebradas, papel higiênico jogado fora da lata de lixo, enfim, a sujeira está espalhada por toda a instalação sanitária.

Não há controle, todo mundo usa os banheiros”, dizem os operadores que citaram o caso do companheiro que foi ameaçado por usuários porque disse que o lugar não era “catraca livre” e sim de exclusividade dos operadores.

Alberto Oliveira da Silva, cobrador da VIP Expandir, indignado, deu nota zero para o refeitório. “Isso aqui é um lixo, às vezes encontramos fezes de rato, que anda por toda a estrutura do terminal. Já encontrei morador de rua dormindo nos bancos do refeitório e tive a minha marmita roubada. Isso acontece porque não existe segurança”.

A limpeza da sala da manutenção é feita pelos trabalhadores do setor, com produtos comprados com dinheiro do próprio bolso. No local, há uma ratoeira. O mecânico da VIP Transportes, Cícero Celino, falou que todo dia um “visitante” é pego na armadilha.

MELHORIAS

O encarregado do Terminal, Zildo de Souza Oliveira, disse ao assessor da presidência Romunaldo Santos que recebeu e registrou as reclamações, que agora serão levadas para a coordenação. “O que for possível resolver de imediato será feito. A limpeza será intensificada e com relação aos ratos, vamos reforçar a dedetização. Para os outros problemas a solução será programada”, prometeu.

Zildo também lembrou da autorização para uso do refeitório e dos banheiros no Bloco Administrativo. E, para restringir a circulação de pessoas no Terminal, deu como exemplos os terminais Cidade Tiradentes e da Lapa que tiveram o acesso restringindo. Para adentrar a esses locais, o passageiro encosta seu bilhete na catraca, e no ônibus faz o mesmo processo, só que desta vez para pagar a passagem.

Vale lembrar que o presidente Valdevan Noventa reuniu-se com representantes do Poder Público, em várias oportunidades, as quais sempre cobrou providências. “Já avançamos quando conseguimos disponibilizar mais banheiros nos terminais e pontos finais de ônibus para os operadores. Mas isso não é suficiente. É preciso solução para essa série de problemas, afinal, nossos companheiros não podem continuar trabalhando em condições de insalubridade. Isso é questão de saúde e exigimos essas melhorias”, cobrou Valdevan Noventa.